domingo, 3 de abril de 2016

{Review | Avaliação} Miley Cyrus & Her Dead Petz

Raim! Como estão?

Hoje trago para vocês, um review que eu queria fazer há muito tempo! Que é sobre o álbum gratuito lançado pela maravilhosa Miley Cyrus, que está disponível na internet, para qualquer um ouvir quando bem entender. E se você "ouviu" o álbum e não gostou... Escute de novo depois de ler essa postagem, porque você está ouvindo errado. E eu vou te dar motivos suficientes para amar esse álbum, tanto quanto eu amo! 

O MC&HDP foi lançado no dia 30 de Agosto, na noite daquele maravilhoso VMA, onde a própria Miley foi a apresentadora. Lembro que eu tentei acessar o site para tentar ouvir o álbum, mas foi uma tentativa falha, porque o site ficou sobrecarregado e eu só lembrei de ouvir um bom tempo depois. Pelo menos eu ouvi e estou aqui para comentar, não é mesmo? Então, vamos lá!

Miley Cyrus & Her Dead Petz é o quinto álbum da artista, o segundo fora da Hannah Montana e o primeiro não-indusrial, editado por ela mesma, na garagem da sua casa junto com a banda The Flaming Lips. Livre de uma gravadora e lançado no Soundcloud (ela é poderosa mesmo).

Nós já podemos notar que é um álbum muito mais conceitual que industrial, principalmente pelo seu nome: Miley Cyrus e Seus Animais Mortos. E justamente isso que é representado nas suas 23 três faixas, trazendo um disco com mais de 1h30 de duração, com músicas falando sobre drogas, sexo, conselhos, desabafos, sonhos e amor (no geral).

Começamos com a música chamada "Dooo It!", que ela fala, que fuma maconha, se sente a dona do universo, que amor é tudo o que precisamos, que amemos o que cantamos e que amemos fumar erva (típico da Miley). Nessa música ela também faz perguntas sobre o que nos rodeia, que tenho certeza que muitos de nós, jovens, temos.

Em seguida, ela aconselha alguém chamada Karen, a não se deixar levar por pessoas que a deixam para baixo, que é para ela se segurar na sua alma, que é para superar quem tenta deixá-la para baixo e ver o mundo de uma forma mais bonita. Tudo isso num ritmo lento e depressivo, que se você deixar, vai te tocar lá dentro. 

E na terceira faixa temos "The Floyd Song", outra música triste, que me toca mais que a "Karen Don't Be Sad", onde ela fala que não quer viver num mundo onde a sua flor está morta, ela pede para a morte levá-la porque ela não quer viver sem a sua flor. E ela também fala um pouco sobre a importância do Sol. Tudo isso numa voz meio rouca e chorosa, que te faz querer chorar com ela.

As próximas músicas também tem essa pegada depressiva, com mensagens maravilhosas. E logo depois, vem uma música curta de cinquenta segundos, com batidas eletrônicas viciantes e que serve como introdução para a próxima música que acho que é uma das melhores do álbum: "BB Talk", onde ela desabafa sobre um ex-namorado que era grudento demais, que falava feito um bebê e que ela não aguentava mais aquilo, que foi lançado um clipe maravilhoso, que gerou algumas polêmicas, como: um certo grupo dizendo que ela fazia apologia à pedofilia e que ela plagiou a Melanie Martinez. Só tenho uma coisa para dizer para isso: Para que está feio! O clipe tem tudo a ver com a letra da música e não tem nenhuma apologia à pedofilia. Só olhar a letra, eu hein.

Depois temos músicas que falam sobre sexo e "Bang My Box" deixa isso bem visível, onde o título deixa bem claro sobre o que a letra fala: Golpeie Minha B***ta. Muita gente vai falar: "mas nossa, que terrível". Por que é terrível? Você não tem desejos sexuais também? (a não ser que você seja assexuado) A música tem um ritmo maravilhoso, viciante e eu me pego cantando várias vezes, sem nem perceber. "I want you to baaaaang my box!"

E é lá na décima terceira música que temos outra intro, I'm So Drunk, que serve como uma preparação para a música seguinte: "I Forgive Yiew" que lembra um pouco as batidas do Bangerz, é uma música onde ela fala que ela perdoa um cara por ter levado outra garota para a cama, mas que ela o esqueceu. Eu gosto bastante da música, tem um ritmo legal e um tanto viciante.

Na próxima faixa, temos uma das melhores músicas do álbum: I Get So Scared, que para mim é uma continuação de I Forgive Yiew, porque nessa música, ela fala que está assustada demais, porque ela acha que nunca o esquecerá e que ninguém pode controlar o que acontece nas nossas vidas, que tudo já está decidido. E o toque dessa música é maravilhoso, o jeito como ela canta e tudo o mais, parece ser sincero e sempre que eu ouço eu digo: "Exatamente, Miley! É isso que eu sempre quis dizer!"

E, claro, eu não poderia terminar essa postagem, sem falar de 1 Sun, Pablow The Blowfish e Twinkle Song. Essas músicas são tão fortes, que é quase impossível de não gostar, apesar de ter gente que não gosta de PTB. 1 Sun está nada mais, nada menos, que nos mandando uma mensagem sobre conscientização ambiental, que nós temos pouco tempo para mostrar quanto amamos o lugar onde moramos e quem está ao nosso redor. É muito forte e maravilhosa, que todos deveriam ouvir. Em Pablow The Blowfish, a Miley fala sobre o amor que ela tem por Pablow, um baiacu de estimação que ela teve, que morreu, (como outros animais que ela teve, por isso o nome do álbum) essa música é totalmente crua, só ela e o piano, com uma voz chorosa, triste e rouca, a música é linda, mas ao mesmo tempo pesada, fazendo-a chorar no fim da música, te deixando sem palavras.

Vi pessoas criticando essa música, dizendo que foi a pior música que ouviram. Mas por que? Com tanta música falando sobre o amor entre duas pessoas, e as pessoas achando bonito, porque uma música falando sobre o amor humano para com um animal que amou o bastante para chorar quando morreu, mesmo nunca podendo tocá-lo é ruim, ou feio, ridículo? Essa música é poderosa demais e faz qualquer um chorar, ao ler a letra e ouvir junto a Miley cantando. "Por que tudo que eu amo tem que morrer?".

E por fim, a Twinkle Song, fala sobre o significado dos sonhos, procurando algo que os explique, porque ela não os entende. Assim como muitas pessoas, que tem sonhos loucos e querem encontrar uma explicação para eles. E assim como em PTB, essa música é somente a Miley com seu piano, a letra é forte, e que também pode fazer você chorar ao acompanhar a letra da música, ou se assistir ao live que ela fez para o SNL, que ela chora enquanto canta, como em Pablow The Blowfish.


O que eu achei desse álbum? PODEROSO, com batidas meio trash e psicodélicas, bem não-industrial, onde as pessoas para gostar tem que procurar o significado nas letras, não é para apenas ouvir, mas para entender e apreciar e só assim, você vai perceber a beleza do álbum. É assim também nos desfiles conceituais. Esses desfiles não são para procurar tendências para vestir, mas para enxergar uma mensagem, o que o Designer quis levar ao público através das roupas.

Esse álbum, eu compraria com certeza, mesmo que seu preço fosse de ouro, acho melhor que o Bangerz definitivamente e já não vejo a hora de ela lançar um novo álbum, sendo industrial ou não, porque o trabalho que ela está fazendo, é maravilhoso!

Pronto já te disse razões suficientes para você. Agora vá ouvir esse álbum direito e vá amá-lo, como eu amo, clicando aqui.

Minhas músicas favoritas até o momento: Dooo It!, The Floyd Song, Fucking Fucked Up, BB Talk, Fweaky, Bang My Box, Cyrus Skies, I Forgive Yiew, I Get So Scared, 1 Sun, Pablow The Blowfish e Twinkle Song, ou seja o álbum todo.


Só isso que tenho para falar e não se esqueça de se inscrever no blog, aqui do lado, para ficar ligado quando uma nova postagem sair e se quiser, ali em cima tem todas as minhas redes sociais, caso queira me acompanhar! Até a próxima publicação! 

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Sim! Tudo de bom! Maravilhosa e rainha da minha vida!

      Excluir
  2. Confesso que só ouvi umas três músicas do álbum. Depois vou ver se paro e escuto tudo.

    Carissa
    www.carissavieira.com.br

    ResponderExcluir

Vem me deixar feliz e interaja comigo!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...